mar 19, 2013 - Textos históricos    2 Comentarios

Por que vieram os açorianos para o Brasil? Um pouco de história

Por Leda Saraiva Soares

Após o descobrimento do Brasil, por mais de dois séculos, o Rio Grande do Sul ficou isolado do centro do País (questões geopolíticas).


Era necessário que se povoasse o Continente do Rio Grande de São Pedro para garantir a posse das terras. Espanhóis e portugueses viviam em constantes disputas, consequência do Tratado de Tordesilhas. Os portugueses mantinham um posto avançado do rio da Prata, defronte Buenos Aires, onde fundaram a Colônia do Sacramento em 1680, tendo como objetivo fixar nesse ponto a fronteira do Brasil. De São Paulo até Colônia do Sacramento não havia um só povoado. Em 1684 fundam Laguna para abastecer a Colônia. Até então, o acesso se dava por mar.
Em 1703, abre-se o primeiro caminho pelo litoral: antiga Estrada da Laguna, ora pela praia, ora pelo campo e por muito tempo foi palmilhado por todos que se aventuravam a estas paragens:

– Frota de João de Magalhães em 1725, para povoar o Rio Grande.
-Padres Jesuítas que vinham catequizar índios.
-Paulistas e bandeirantes que vinham atraídos pelas minas de prata no Peru e para aprisionar índios que eram levados para a lavoura no centro do País.
– Tropeiros que buscavam gado.
-Militares que vinham defender as fronteiras.
-Casais açorianos que vieram povoar esta terra.
Em 1737, Silva Paes funda Rio Grande com o forte militar Jesus, Maria e José para servir de apoio militar, defensivo à Colônia do Sacramento, constantemente sitiada por forças espanholas.

Em 1742, Silva Paes escreve ao Rei de Portugal sobre a necessidade da vinda de casais açorianos para trabalhar a terra nestas paragens. Diga-se que no Rio Grande só havia militares e criadores de gado que não se fixavam a terra. Deixavam em suas estâncias peões e capatazes. Viviam com suas famílias em Laguna, São Paulo…
Estâncias, rincões, invernadas iam surgindo ao longo do caminho trilhado pelos tropeiros.

Assim como Minas Gerais, as terras do Sul do Brasil começaram a fascinar os paulistas por conduzirem ao estuário platino e às minas de prata do Peru. Outro fator de atração foi a descoberta de expressiva quantidade de gado muar, cavalar e vacum. Tropear gado para o centro do país transformou-se em rendoso comércio para os tropeiros.

O Brasil transformava-se na Terra da Promissão para os filhos de Portugal. O ouro atraia no fim do século XVII e começo do seguinte, toda a gente, acalentados todos na esperança de descobrirem novos garimpos de Minas Gerais e nas catas de suas montanhas auríferas o cobiçado metal que seria a fortuna e a realização dos mais belos sonhos humanos .
O número de portugueses do continente, decidido a vir para o Brasil era tão grande que o governo começou a se preocupar.
A notícia do ouro e diamantes também chegou ao Arquipélago dos Açores. E um bom número de embarcações começou a fazer viagens para o Brasil, estabelecendo comércio de forma direta, sem o conhecimento do governo português, levando também o metal precioso para as ilhas, o que passou a desagradar ao rei de Portugal. Mas o Brasil precisava ser povoado. Os espanhóis já estavam avançando sobre o território brasileiro. A terra era de quem a povoasse. O governo português, para tomar controle da situação, baixou um edital no arquipélago dos Açores, acenando aos ilhéus com algumas benesses. O interesse foi grande. Muitos se inscreveram. O governo Português ao enviar ilhéus para o Brasil estaria resolvendo dois grandes problemas:
1-    A necessidade premente de povoar o Brasil.
2-    Superlotação das Ilhas dos Açores e falta de terras.
Os açorianos, por natureza, eram dotados de forte espírito de família, hospitaleiros, altivos, religiosos, tolerantes, valorosos, sem propensão ao crime. Amavam a liberdade e a independência. Eram disciplinados, obedientes e conservadores dos costumes domésticos e sociais.
Vejamos o que escreve Fernandes Bastos sobre a portaria que cria a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Arroio (Osório):

Transcrição ipisis litteris:
 (…) O Governador José Marcelino de Figueiredo [R.G.S.] consegue que o Vice-Rei do Brasil mande fundar uma povoação com o título de Nossa-Senhora-da-Conceição-do-Arroio, entre as Freguesias de Santo-Antonio-da-Guarda-Velha [Santo Antônio da Patrulha] e a de S.Luiz-do-Norte [Mostardas] para assentar sessenta casais açorianos.

Para isso expede o Bispo do Rio-de-Janeiro, Dom Frei Antônio do Desterro a necessária portaria, que tem a data de 18 de janeiro de 1773.   

Transcrição ipsis litteris da portaria expedida pelo Bispo D. Antônio do Desterro:
Dom Frei Antônio do Desterro, por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo do Rio de Janeiro e do Conselho de sua Magestade [sic] Fidelíssima. Porquanto ilustríssimo e Excellentissimo Senhor Marquez Vice-Rey d’este Estado manda fundar uma nova povoação de moradores com o titulo de N.S.-da-Conceição-do-Arroio no lugar que fica entre a Freguesia de Santo-Antonio-da-Velha-Guarda e outra nova povoação que manda tão bem fundar com o titulo de São-Luiz-do-Norte, na Província do Rio-Grande,deste nosso Bispado:

Notas

 1 – Fortes, Gen. João Borges. Os Casais Açorianos. Presença Lusa na Formação sul-rio-grandense. Martins Livreiro – Editor –  p. 21,.(Edição do Centenário Farroupilha). 1999.
2 – BASTOS, Manoel E. Fernandes. A Fundação da Freguezia [sic] de N.S.da Conceição do Arroio, cap. VI, p.154.

2 Comentarios

  • que legal esse site me ajudou muito na minha pesquisa

  • nossa

Tem alguma coisa a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!


um × 7 =