abr 20, 2010 - Poemas    No Comments

A jornada

A jornada

Por Suely Braga

Se encontrares
uma pedra no teu caminho,
Rola -a para longe.
Se não puderes sózinho,
pede ajuda a alguém.
 
Não deixa que nada,
interrompa tua caminhada.
Realiza teus planos.
Concretiza teus sonhos.
Persegue teus objetivos.
Olha em volta
as maravilhas da natureza.
Que beleza !
As estrelas no céu te guiam.
O sol radiante
ilumina teus passos.
Com Fé e Esperança
prossegues tua jornada.

abr 17, 2010 - Últimas Notícias    No Comments

Atividade na Escola Assis Brasil

Atividade cultural na Escola Estadual de Ensino Médio Assis Brasil

A escritora Evanise Bossle participou na manhã do dia 17 de abril  de atividades e exposições sobre o dia do livro na Escola Estadual de Ensino Médio Assis Brasil, onde conversou com alunos e professores sobre a importância da leitura.  Os livros de poemas da escritora, e  Antologia  da AELN, foram trabalhados na escola  onde os alunos do ensino médio fizeram uma releitura dos poemas de Evanise  através de histórias em quadrinhos, trabalho ministrado pela Prof.ª Marilda, de Literatura.

abr 13, 2010 - Últimas Notícias    No Comments

Novo Sec. da Cultura de SAP

Por Renato José Lopes, membro do IHGSAP

O novo Secretário da Cultura do município de Santo Antônio da Patrulha, Sr. Fernando Rocha Lauck, tomou posse do cargo nesta segunda-feira pela manhã (12/04/2010), no Gabinete do Prefeito Municipal, perante uma numerosa e seleta assistência.

O Secretário Odilon Ramos fez um emocionado pronunciamento explicando as razões pelas quais deixava o cargo e exortou às entidades que tem relação com a secretaria para que emprestem o mesmo apoio ao novo secretário, pois o mesmo egresso dos quadros sabe melhor do que ninguém das possibilidades e carências que a mesma tem para resolver os seus projetos.

Praticamente todas as entidades culturais do município participaram do ato de posse do Sr. Fernando Lauck, sendo destaque uma comitiva do centro de tradições do vizinho município do Caraá, com as três prendas devidamente pilchadas e que provocou um comentário especial do novo secretário.

abr 5, 2010 - Poemas    1 Comment

Anatoções

Anotações

Por Evanise Gonçalves Bossle
 
Anotar lembranças,
recados rápidos.
Não esquecer…
Ah! Quase ia esquecendo
das últimas anotações de ontem.
Lembrar de pagar a conta
do telefone,
de comprar o pão e o leite.
Lembrar para não esquecer.
Organizar as fotos por datas,
separar os poemas misturados,
reescrevê-los todos,
apagar tolas repetições,
descontar despesas,
somar amores…
Não esquecer de por o sal no feijão
e de juntar as migalhas de textos
caídos no chão.

abr 5, 2010 - Últimas Notícias    No Comments

Participação da AELN na Feira de Capão

Participação da AELN na IV Feira do Livro de Capão da Canoa, no dia 3 de abril de 2010.

Por Leda Saraiva
http://www.ledasaraivasoares.blogspot.com/

Dia três de abril, sábado de Páscoa, a Academia de Escritores do Litoral Norte Gaúcho – AELNG, marcou presença na IV Feira do Livro de Capão da Canoa. Às quinze horas, no Espaço Cultural, houve reunião de Diretoria. Às 17 horas, lançamento de livros dos acadêmicos que participaram da Oficina de Literatura de Fabrício Carpinejar – livro “Salva-Vidas”; Delalves Costa lançou seu livro “Coisas que  Faltam em Mim”; Leda Saraiva Soares lançou “Tramandaí/Imbé -100 Anos de História. Às 17 horas e 30 minutos acontenceu o lançamento da Antologia da Academia de Escritores do Litoral Norte Gaúcho.

 

mar 29, 2010 - Crônicas    No Comments

Analisando Thalia…

Analisando Thalia…

Por Rosalva Rocha – 15/03/10

Hoje resolvi parar para analisar Thalia, se é que este é um direito que me assiste. Thalia foi uma grande amiga de infância e que, muito nova ainda, casou-se. De lá para cá “aposentou-se”, mesmo que inconscientemente, dos amigos, dos tios, dos primos e de tantas pessoas que sempre a amaram. Sempre foi dócil, bonita, cabelos lisos e pesados, olhos pretos muito expressivos e uma boca que muitos desejavam. Mas Thalia escolheu o “seu mundo” e nele ficou. Teve filhos, dedicou-se de corpo e alma a eles, cuidou de familiares, trabalhou, mas sequer “caminhou pelo mundão que existe aqui fora”.

Os anos passaram, os filhos cresceram, começou a ter mais tempo, alguns fatos inesperados aconteceram e Thalia, subitamente, renasceu …
Renasceu como uma criança pronta para esperar o presente de aniversário.
Renasceu para a sua beleza e passou a cuidar melhor de si.
Renasceu para a família que havia deixado perdida sem perceber.
Renasceu para o trabalho, que sequer sabia o significado.
Renasceu para a sua auto-estima, há tantos anos adormecida. E Thalia me prometeu há poucas semanas atrás:
– “De agora em diante serei outra!”
E, quando eu estava querendo dizer o quanto estava feliz com isto, ela complementou:
– “Mas será que ainda há tempo para isto?”
Tempo, tempo … o tempo!

Só ele para abrandar a minha alma, trazer-me mais calma, mostrar-me o grande caminho que tenho pela frente. E tudo o que tenho de projetos em mente. Só ele para me fazer renascer, crescer, remexer na minha vida, para melhor viver…
E eu lhe disse:
– Thalia: sempre há tempo! sempre!

mar 25, 2010 - Últimas Notícias    No Comments

Semana do Livro

Semana do Livro

Por Almeri E. de Souza

A Câmara Rio-Grandense do Livro promove, desde 2005, no mês de abril, a Semana do Livro, com a adesão de parceiros de várias regiões do Estado, que aceitam o desafio de realizar atividades que coloquem o livro e a leitura em destaque, no período. Em 2008, 64 parceiros, de 30 municípios gaúchos, promoveram 140 atividades durante a Semana.  
 
A iniciativa marca a passagem do Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril – nascimento de Monteiro Lobato) e do Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor ( 23 de abril – falecimento de Cervantes e de Shakespeare).  

O ponto culminante da Semana é a solenidade pelo Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, em que a CRL homenageia pessoas e entidades que se destacaram pela realização ou apoio a ações em prol do livro e da leitura, no ano anterior.

Assim, fazem jus a troféus a “Personalidade do Ano”, a “Biblioteca do Ano” e até cinco pessoas físicas ou organizações, na categoria “Amigo do Livro”. E, na mesma solenidade, são homenageados os profissionais vinculados a empresas associadas à CRL que tenham completado 25, 35 ou 50 anos consecutivos de dedicação ao setor livreiro.
   
A partir de 2010, a Semana do Livro, que está inserida no Calendário de Eventos de vários municípios gaúchos, passa a ocorrer sempre de 18 a 24 de abril. 

A origem do Dia Mundial do Livro

A instituição desta data pela Unesco internacionalizou uma antiga tradição da Catalunha, onde, em 23 de abril, comemora-se o Dia de São Jorge – padroeiro daquela província espanhola – e recorda-se o falecimento do escritor Miguel de Cervantes, ocorrido na mesma data, em 1616.

De acordo com o costume catalão, os livreiros entregam uma rosa juntamente com cada livro vendido neste dia e muitas pessoas presenteiam com livros e rosas seus amigos e familiares. Uma rosa por São Jorge, um livro por Cervantes, este é o lema.

A partir de 1995, a Unesco estendeu sua homenagem ao escritor inglês William Shakespeare, também falecido em 23 de abril de 1616, e passou a estimular os estados-membros a desenvolverem iniciativas próprias nesta data.

Atualmente, autores, editores, professores, livreiros, meios de comunicação e bibliotecas, entre outros profissionais e entidades, mobilizam-se, em todo o mundo, para que o livro esteja na pauta do dia.

mar 25, 2010 - Crônicas    No Comments

Leve-me contigo

Leve-me contigo

Por Mário Feijó, 25.03.2009

Leve-me com você
Quero conhecer tua estrela
O lugar aonde moras
A tua casa – meu paraíso…
 
Não me deixe só
Quero contigo viajar
Nosso lugar é no infinito azul
 
Eu posso voar contigo
Sei que posso
Então me leve…
 
De que planeta vieste?
Sei que não és da Terra
Um ser divino feito você
Não pode ser humano – é angelical…

mar 25, 2010 - Poemas    No Comments

Ser homem

Ser homem

Por Mário Feijó, 10.03.2010

Muitos homens pensam
Que ser homem é levar
Todas as mulheres para a cama
Engravidá-las ou não e ir embora…
 
Alguns pensam que ser homem
É ter um físico avantajado
Brigar por qualquer motivo
Seja na rua ou em casa… e posar de macho!
 
Muitos deles esquecem que suas mulheres
São companheiras na luta do dia-a-dia
E quando chegam em casa, depois de beber
Todas com os amigos querem comida quente na mesa
Toalha e cueca limpas no banheiro
Deixando tudo por lá molhado…
 
Uns ainda pensam que suas mulheres são santas
Intocáveis e que não sentem prazer…
“Sacanagem” é com as outras na rua
Mas quem disse que amor bem feito é sacanagem?
 
Eu quero avisar a todos
Que as mulheres querem ser amadas de todas as formas
Querem sentir prazer (como nós sentimos)
Querem ser parceira e são iguais…
 
Quem não souber fazer isto
Saibam que elas sabem como ninguém
Construir belíssimos galhos
Alguns até frutificam…

mar 19, 2010 - Crônicas    No Comments

Um adeus que não se quer dar

Um adeus que não se quer dar

 Por Almeri E. de Souza

Meu pai sempre diz que o difícil de viver muito – ele já está há 90 anos por aqui- é que se tem de enterrar os amigos. Mal compreendia isso, pois que felizmente poucos dos que fizeram parte da minha tropa, se foram. Morreu o Cilceu há uns 3 anos e foi muito cruel. Parece que vai um pouquinho de nós quando um amigão, um camarada daqueles que nos fazem rir se espicha naquele caixão feioso e, sério, se vai sem dar tchau. Mas passa um pouco e agente se recupera e pensa: agora está tudo certo. Estamos todos aqui. Ficaremos aqui todos juntinhos e só iremos quando já não nos quisermos mais. Nesta ilusão se faz de conta que não envelhecemos, que nosso fígado não envelhece, que nosso coração está tinindo, que nossas células nem dão bola para este tal de tempo. Daí o golpe: O Fresta se foi. Como assim? O Fresta, não! Este não morre! Imagine este mundo sem o Fresta? Não, não brinque com isso que é sério. O Fresta faz parte da paisagem da cidade, com seus cabelos desgrenhados, suas orelhas grandes – até escrevi sobre isso num livro que publiquei, e acho que ele não leu – suas mãos enormes e um caminhar calmo – sem pressa – meio desengonçado até, mas sempre alegre. Fechamos o trânsito muitas vezes. Porque estando em Osório, encontrá-lo e não parar o carro, era coisa do outro mundo. Ele foi personalidade. Acho que tinha um selo com numeração. Fazia parte da arquitetura da cidade. Uma arquitetura tombada. Conservada, que não poderia ser demolida, somente restaurada e mantida. Uma peça de restauro. Talvez até pertencesse ao catálogo do IPHAN. Sagrado amigo: partistes com a sutileza que nunca te pertenceu. Saísses de cena sorrateiro e esgueirado, para estarrecimento de todos nós. Deixastes comigo nossos planos de cenários, de peças teatrais, de encontros de chimarrão que não deu tempo. Com tua família tua marca irreverente, alegre e juvenil. Certamente um buraco, pois tem gente que é tão especial que não tem ninguém mais parecido. Nada semelhante.

A ausência do Fresta é como a daquela figueira antiga, que todos conhecem, que sabem de cada um dos seus galhos, que todos já desfrutarem da sua sombra e que um dia o temporal vem e a arranca, deixando a paisagem árida e ressecada pelo sol. Não tem mais a figueira. Não tem mais o Fresta.

Num dia desses, nos encontraremos lá embaixo daquela figueira que não existe mais, quando nós também não estaremos mais em lugar algum. Enquanto espiamos pelo buraco da vida, gelados de medo do próximo adeus, nos resta tomar mais uma gelada, trocar mais um abraço e dar mais uma risada, porque qualquer uma dessas pode ser a última.

Páginas:«1...727374757677787980»