jul 24, 2011 - Resenhas    Sem comentario

Não há silêncio que não termine

Livro Não há silêncio que não termine, de Ingrid Betancourt

Resenha: Cássia Message

O livro, publicado em 2010, traz a trajetória de sua autora na Amazônia colombiana, em poder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Durante cerca de seis anos, Ingrid Betancourt, sequestrada em 2002, então candidata a presidência da Colômbia, ficou na selva à merce dos guerrilheiros, que a chamavam de chuca (velha), e lhe impunham todo tipo de maus tratos e castigos por suas tentativas de fuga (quatro no total) e reivindicações pela melhora da situação dos prisioneiros.

Além da forte narrativa política, o livro descreve o sofrimento da autora, sobrevivendo em condições subumanas, sem contato com os filhos, sofrendo a morte do pai, ocorrida apenas um mês após o sequestro, aterrorizada pelos guerrilheiros, que com crueldade desmoralizavam os prisioneiros, mantendo-os assim abalados e cada vez mais frágeis, impossibilitados de qualquer reação, lutando para manter a saúde física e mental.

Os prisioneiros passavam frio e fome, eram acorrentados pelo pescoço a árvores, eram obrigados a fazer suas necessidades e higiene em conjunto, em buracos cavados por seus carcereiros. Nessas condições, os piores sentimentos vinham à tona, como a mesquinhez na disputa pela comida, pelas acomodações, a traição dos companheiros, a desconfiança ante uma possível posição privilegiada de Ingrid e as críticas por seus constantes ataques aos carcereiros.

É a necessidade de enfrentar esses sentimentos, e a total transformação dos valores, que acaba voltando Ingrid para o sagrado, buscando na fé a força necessária para superar as humilhações, as críticas, os sofrimentos infligidos fosse pelos companheiros de cativeiro, fosse pela guerrilha:

“Incapaz de agir sobre o mundo, desloquei minha energia para agir em “meu mundo”. Queria construir um eu mais forte, mais sólido. (…) Seguramente Deus tinha razão e o Espírito Santo devia saber muito bem, pois se obstinava em não querer interceder em favor de minha liberdade. Eu ainda tinha muito que aprender.”

Outro aspecto abordado pela autora é a constatação de que o ideal revolucionário foi substituído pela ganância, a luta pelo poder e a busca de uma vida com valores semelhantes aos que dizem combater. Ingrid ainda encontrou idealistas, mas a vontade destes era facilmente subjugada pela força de um movimento financiando pelo narcotráfico.

Neste cenário transcorreram os seis anos de cativeiro de Ingrid Betancourt, libertada em julho de 2008, numa operação do exército colombiano, que chamou a atenção do mundo para o conflito vivido em nosso continente.

Tem alguma coisa a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!


4 + sete =