Browsing "Crônicas"
jan 28, 2010 - Crônicas    No Comments

Corujas buraqueiras II

Corujas buraqueiras II

 Por Artur Pereira dos Santos

As corujinhas voltaram….E eu também voltei…..
– Espera aí, tem algo errado nestes versos. Não eram as andorinhas?.
– Eram, Zóia, mas nesse caso somos nós mesmos que estamos novamente em evidência: querem construir uma estátua para nós.
– Ora, Zoio isto é coisa de alguém que não percebeu que estátuas irão chamar a atenção e restringir ainda mais nossa liberdade.
– É verdade. Que saudades do anonimato: Do tempo em que só o nosso amigo Joãozinho passava por aqui para armar o foguetório, e ainda pedia licença, lembra?
Foi-se o tempo em que nossos domínios eram respeitados naturalmente e tínhamos o privilégio de uma vez por ano assistir de camarote o espocar dos foguetes.
E nossos filhos, será que terão que limitar-se a morar em nossas tocas durante toda a vida para serem vistos pelos curiosos?
Segundo soube, querem construir a tal de estátua bem pertinho daqui, certamente para nos verem entre estas fitas demarcatórias horrorosas.
E estas placas então! Que passaram a fazer parte de nossas vidas desde aquele final de ano. Sabes o que elas querem dizer, Zóia? – Eu não sei. Parece que foi proposital a colocação delas. Imagina! Nós que somos símbolos da sabedoria, temos que suportá-las sem saber o que está escrito. Suprema humilhação!
– Você lembra, Zóia? Aquele monumento que ainda hoje está ali? Aquele sim, nossos pais nos ensinaram que nos representava com dignidade. Tinha um movimento de olhar de 360 graus, como nós, e servia para guiar quem estivesse em alto mar, mas somente em alto mar, nunca se aproximavam e nem espantavam ninguém.
Meu pai contava que diariamente um velhinho esguio, que tinha um filho deputado, subia até o topo e abanava para ele e minha mãe. Tinham um orgulho danado disso. Ele só não gostava daquele homem que, uma vez por ano, trazia um montão de papéis para queimar ao lado do monumento. Nesse dia eles ficavam virados para o mar, por causa da fumaça nos olhos. Você sabe! Olho de coruja é uma preciosidade, Acho que o homem conscientizou-se disso e parou de queimar papéis ali, acrescentava meu velho.
Soube também das desculpas para construção de outro monumento e a desativação deste: muitas luzes. Muitas luzes e quem estiver em alto mar irá se confundir, diziam. Com coisa que a altura destes monstrengos que nos sombreiam ao cair da tarde e os que estão sendo construídos ao longo de nossos domínios, não emitem luzes suficientes para causar confusão também com o outro monumento. Às vezes me dá vontade mudar de buraco e ser solidário com ele, como foram nossos pais com este aqui.
E querem reproduzir nossa imagem em outros locais sabia, Zóia?
Não, não sabia e nem acho que seja uma boa. Tu achas que eles irão nos reproduzir com a fidelidade que merecemos, inclusive com os movimentos de cabeça que só nós sabemos fazer? Sem falar na originalidade das cores de nossas penas! Irão distorcer nossa imagem, isso sim!
Esses humanos! Veja o exemplo daquela estátua na pracinha. Não aquela do centro. Aquela mais nova, que tem a estátua daquele senhor bonachão que morava perto daqui e que visitávamos com freqüência antes de virarmos “celebridades”, como dizem eles, tentando nos seduzir com palavras bonitas. Pois coitado, nem os óculos possui mais.
Zóia! às vezes fico pensando sobre esse tal de progresso. Esse, que aquele pessoal dos flashes falam enquanto nos dão um empurrãozinho para nossas moradas quando chegam muito perto e sentimos medo. Acho que ele deveria vir acompanhado de tantas outras coisas mais importantes e necessárias que uma estátua. Afinal, o que vamos fazer com ela? Concentrar nossos olhares em sua direção para contar os curiosos?
Garanto que os nossos vizinhos barulhentos, que só descobrimos seus ninhos por sabermos torcer a cabeça para todos os lados sem movimentar o corpo, também não estão de acordo.Ouço falarem entre si que não toleram a presença humana. Já viste algum deixar que um humano se aproxime dele ou de seu ninho?

jan 3, 2010 - Crônicas    No Comments

O Bug do Espelho

O Bug do Espelho

Por Leda Saraiva Soares

Meio ao profundo silêncio, um estrondo… Seria uma bomba jogada à nascente das águas lendárias da fonte localizada nas proximidades de Téspias na qual Narciso se enamorou de sua própria imagem? Seduzido por sua beleza, permaneceu ali, contemplando-a até consumir-se. Nasceram de seu corpo raízes e ele se transformou na flor conhecida pelo nome de Narciso.

Seria o “Bug” do Milênio? Sinais tão esperados em fim de século? Sinais dos tempos? Ou simplesmente, como querem alguns, apenas virada de ano? Chegada de uma nova era?

O velho espelho redondo, medindo quase um metro de diâmetro, com moldura antiga e resistente, de cor manteiga, com um tope entalhado na madeira da moldura que indicava a posição certa na parede, não quis assistir à chegada do ano 2000.

Eram 16 horas do dia 29 de dezembro do ano de mil novecentos e noventa e nove, quando desabou, ficando a parte do espelho voltada para o piso.

Quantas imagens esparramadas pelo chão entre cacos… Risos, trejeitos de adolescentes, de adultos e de crianças, congelados no tempo, desde o final da década de setenta.

Da velha fonte, jorrava, em torrente pela sala de nossa casa, muitas imagens de jovens, amigos de nossos filhos, nossos amigos que sempre nos visitavam, nós mesmos esparramados pelo chão.

O “Orango” foi o primeiro a se precipitar e, com ele vieram tantos: o “Cavalo” (Pedro), o “Felpa” (Vladimir), o “Bino” (Armindo), o “Pinico” (João), a Daniela, a Jussimeri, o “Goiaba” (Cassiano), o “Nuvem” (Alexandre), o “Anão” (José), a “Courila” (Jaqueline)….

Depois outra torrente trazia a geração mais nova: a Rafaela, a Lisiane, a Karina, a Raquel, a Denise, a Mirian…

Mais afoitos e fazendo estripulia, saíram dali a Gisele, a Vitória, o Ícaro, o Marcelo, o Pedro, a Mariana, o Mateus, a Marina…

Só a bisa (vó Mariquinha) presenciou o “Bug” do espelho.

Ao chegarmos a casa, voltávamos de Porto Alegre, deparamo-nos com a vó Mariquinha sentada em sua cadeira de balanço e, a seus pés, o velho espelho emborcado. Disse-nos que se despencou fazendo um ruído medonho. Ainda bem que não caiu por coima dela. Antes de erguê-lo, cheguei a pensar que estivesse inteiro. Na hora de desvirá-lo, deparamo-nos conosco: o Noel e eu, saindo por entre os cacos. Lá no fundo, vimos outras pessoas desconhecidas que também se refletiram naquele espelho em outros tempos.

O espelho, qual água nascente da fonte onde Narciso se enamorou de si mesmo, por muitos anos, nos fez companhia, ocupando um lugar de destaque na sala de nossa casa, ou melhor, já fazia aparte da casa quando a adquirimos.

Esse espelho era irresistível, atraindo para si todos os olhares daqueles que chegavam à sala, refletindo o Narciso que cada um traz consigo.

Aquela moldura tão antiga já se integrara ao nosso ambiente familiar e mereceu outro espelho. Hoje, moramos em Imbé e o espelho nos acompanhou.

nov 30, 2009 - Crônicas    No Comments

Lembrando o Dia do Escritor

Lembrando o Dia do Escritor

Por Mariza Simon

O ameaçador augúrio já apareceu nos anos 60 e 70: os sinistros avisos proféticos da morte da literatura e do livro. Muitos pensadores constatam a desimportância da literatura nos dias de hoje e a atribuem ao desaparecimento dos grandes escritores, que representavam a consciência moral e intelectual de seus povos, a exemplo de Victor Hugo, Proust,Tolstoi, Zola, Bernard Shaw, Sartre entre tantos outros. Escritores que formataram o pensamento e a sensibilidade de sua época foram substituídos pelos nomes da cultura de massas e da cultura pop. Neste novo século o irrelevante se tornou o máximo do conhecimento. Alguns escritores atuais preconizam o crepúsculo da atividade literária, acusando os professores culpados por não oferecerem leituras efetivamente vitais aos seus alunos universitários.

O progresso tecnológico trouxe o surgimento de novas artes e de novos gêneros. O domínio dos meios audiovisuais tornou-se absoluto em nossos dias. Tecnologias mais recentes , como a Internet, aprofundaram o caráter terminal da literatura e do livro. Nas livrarias cada vez maiores espaços para CDs e DVDs. Acontecerá de, no futuro, os livros serem relegados aos cantos escuros e às prateleiras escondidas, vistos como curiosas velharias de um tempo remoto ?

Sentencia-se o fim da Era Gutemberg. Atribui-se o declínio da letra impressa ao individualismo e ao narcisismo contemporâneos que, gerando uma sociedade do efêmero, (“Tudo que é sólido se desmancha no ar”) aboliram o interesse pelo passado e a preocupação com o futuro. A natureza mercantilista das relações humanas, do aqui-agora, do eterno presente, do trivial transformar-se-ão no esquecimento de amanhã? Nestes tempos nada permanece: o sucesso é efêmero,o entretenimento é passageiro, as palavras caducam e se liquefazem.

Com estas premonições, algumas discutíveis, outras aparentemente falsas, podemos concluir que diante de tais argumentos, nós escritores, seremos uma espécie extinta em algumas dezenas de anos, assim como foram os dinossauros há milhões de anos passados.

Apesar de tudo resistimos às ameaças que pairam sobre os livros que amamos, as leituras que fazemos, as palavras que escrevemos. Por uma questão de bairrismo, regionalismo , seja o que for, não podemos renunciar àquilo que até nos torna seres anacrônicos em um mundo onde tudo parece estar condenado à brevidade e à falta de transcendência. Mas – teimosos e visionários- nós encararemos o infinito sombrio e não desistiremos.

nov 12, 2009 - Crônicas    1 Comment

Estação das perdas

Estação das perdas

Por Mário feijó

 

A vida é uma constante sequência de perdas, onde para ganhar, sempre temos que perder.

Começamos a viver como seres independentes ao sairmos do útero materno. Já temos que respirar, senão morremos, logo no início… Perdemos ali, o calor e a proteção do corpo de nossa mãe.

Para aprender a viver temos que perder a ignorância, o medo e arriscar. A vida é uma sequência inesgotável de riscos.
Muito cedo ganhamos os primeiros dentes para depois perdê-los. Ganhamos outros definitivos, mas que de definitivos não têm nada, pois também caem na velhice. Isto sem falar nos cabelos que crescem para depois cair ou então para perder a cor.

Perde-se a inocência da infância para ganhar a malícia adolescente e quando se perde também esta, perde-se a vergonha completamente… Perde-se a virgindade para ganhar maturidade, experiências que nos ensinam e nos habilitam a viver num mundo adulto e quem perder a coragem também perde-se num mundo de vícios e criminalidade, pois para estes parece mais fácil viver no crime. Então, perde-se a noção do que é a vida, um eterno aprendizado, um eterno viver em amor, e quando se foge dele perde-se o encanto da vida, pois a vida é bela quando o amor é a grande meta.

Tudo que construímos na base do amor alicerça a pessoa que somos, pois bens materiais não levamos quando saímos desta vida, perde-se tudo, levamos conosco, em nossa alma, a pessoa que construímos e os bons sentimentos. O resto fica para uma prestação de contas “algum dia” não sabemos ao certo quando. Alguns até pagam nesta vida tudo o que fazem, pois lidamos com energia, e muitas vezes as más energias voltam-se contra nós mesmos, mas se vivemos em amor ele nos serve de escudo, e a vida é mais fácil.

Voltando às nossas perdas… Todas são perdas que constroem que ensinam e quem não tiver conhecimento disto vai ficar lamentando todas… no entanto as perdas só nos tornam fortes, belos, experientes… veja uma pedra preciosa bruta, ela só resplandece e tem brilho depois de lapidada, depois de sofrer muito… somos assim, precisamos ser lapidados para ter brilho também. Então não vale a pena ficar lamentando as perdas, pois elas nada mais são do que respostas ao que estaremos ganhando, notamos as perdas, pois era o que estávamos acostumados e nem percebemos o novo estágio. Neste novo estágio, onde a perda pode ter sido uma “morte” isto significa que houve uma ascensão, ou seja a elevação do ser a um novo estágio. Vamos refletir sobre isto. Todos nós passaremos por isto e devemos desde já nos acostumar com estas perdas.

E quando pensamos estar pensando perder a vida estamos ganhando a vida eterna. A idade nos torna sábios, embora precisemos sempre da humildade para continuar aprendendo a ganhar com todas as perdas.

Páginas:«12345678