jul 10, 2011 - Resenhas    Sem comentario

Cartas a um Jovem Escritor – Toda vida merece um livro

“Cartas a um Jovem Escritor – Toda vida merece um livro”
Mario Vargas Llosa (Elsevier  – 2008),

por Rosalva Rocha, 05/04/2011

O livro, pequeno, descreve ensinamentos diretos e contundentes para quem está iniciando nas letras. Foca o quanto é imprescindível ler. E mais: ele confessa que não exagera quando diz: Ler muito!
Um livro de inesgotável fonte de consulta.
Descreve o quão perigoso é o conceito quando aplicado à literatura, afirmando que o que se sabe é que a ficção, por definição , é fraude – algo que finge ser real embora não o seja – e que todos os romances são mentiras disfarçadas de verdade, criações cujo poder de persuasão depende exclusivamente do emprego eficaz pelo romancista de técnicas de ilusionismo e prestidigitação semelhantes às dos mágicos de circo ou de palco.
Considera difícil alguém se tornar um criador – um transformador da realidade – se não escrever estimulado e nutrido por aqueles fantasmas (ou demônios) que carrega dentro de si.
Trata a persuasão citada acima como o encurtamento da distância que separa a ficção da realidade e, apagando essa fronteira, faz o leitor viver aquela mentira como se fosse a verdade mais imperecível e aquela ilusão, a mais consistente e sólida descrição da realidade.
Ao mesmo tempo que trata do estilo, seduz quando escreve sobre o narrador e o espaço, tudo isto embasado em histórias reais de romances já publicados, o que confere ao leitor uma compreensão simples.
Por fim, sentencia que ninguém pode ensinar ninguém a criar; na melhor das hipóteses, podemos aprender a ler e a escrever. O restante precisamos ensinar a nós mesmos, tropeçando, caindo e levantando sem cessar.

Tem alguma coisa a dizer? Vá em frente e deixe um comentário!


9 + três =